NARCÓTICOS ANÓNIMOS
Região Portuguesa

Meditação do Dia

Sexta, 23 de Junho de 2017


Rendição
"Não chegámos a esta irmandade a transbordar de amor, de honestidade, de mente aberta ou de boa-vontade... Quando nos vimos derrotados, começámos a sentir um pouco de boa-vontade." Texto Básico, p. 24

A rendição pode constituir o alicerce necessário para recuperarmos, mas por vezes resistimos-lhe. A maioria de nós olha para trás, depois de termos algum tempo limpo, e começa a pensar porque é que se esforçou tanto a negar a impotência, quando foi afinal a rendição que acabou por nos salvar. À medida que recuperamos, apresentam-se novas oportunidades para nos rendermos. Das duas uma: ou lutamos contra tudo e todos, ou recordamos os benefícios daquela nossa primeira rendição e deixamos de lutar. A maior parte da dor que experimentamos advém de lutarmos, não de nos rendermos. Na verdade, quando nos rendemos, a dor termina e é substituída pela esperança. Começamos a acreditar que tudo irá correr bem e, após algum tempo, compreendemos que as nossas vidas acabam por melhorar. Sentimo-nos tal como quando largámos a ilusão de que iríamos conseguir controlar as drogas - aliviados, livres, e cheios de uma esperança renovada.

Só por hoje: Hoje precisarei de me render? Vou recordar-me de quando me rendi pela primeira vez, e lembrar-me de que não preciso mais de lutar.

Deseja receber as Meditações diáriamente no seu email?

E-mail:    Subscrever   Remover  
© Só por hoje - Meditações diárias para adictos em recuperação
ISBN 1-55776-426-3 Portuguese 2/03
Associação Portuguesa de Narcóticos Anónimos
Copyright (c) 2003, NA World Services, Inc. Reprinted by permission. All rights reserved